Conferencistas e Mediadores

Alvaro Moreira Hypolito (Programa de Pós-Graduação em Educação -Universidade Federal de Pelotas)

Concluiu o Doutorado (PhD) em Curriculum and Instruction na Universidade de Wisconsin – Madison. É Pesquisador do CNPq e Professor Associado da Universidade Federal de Pelotas, onde exerceu, dentre outras, a função de Pró-Reitor de Graduação. Publicou 58 artigos em periódicos especializados e 45 trabalhos em Anais de eventos. Possui 34 capítulos de livros e 12 livros publicados como autor e/ou editor. Possui vários itens de produção técnica. Participou de eventos no exterior e no Brasil. Recebeu 3 prêmios e/ou homenagens. Orientou 14 trabalhos de dissertação de mestrado e 10 teses de doutorado, duas como co-orientador. Orientou dois estágios de Pós-doutorado. Participou de vários projetos de pesquisa, atua em 3 projetos de pesquisa. Atua na área de educação, com ênfase em estudos sobre Trabalho Docente, Currículo; e Gestão Educacional. Em suas atividades profissionais interagiu com 44 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Em seu Currículo Lattes os termos mais frequentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Trabalho Docente, Currículo, Formação de Professores, Reestruturação Curricular, Profissionalismo, Teoria Crítica, Educação, Gênero, Globalização e Identidade.

Ana Clara Corrêa Henning (Faculdade de Direito – Universidade Federal de Pelotas)

Graduada em Direito (UFPel, 1996), Especialista em Direito Comercial (UNISINOS, 1998), Mestre em Educação (UFPel, 2008), Mestre em Direito (PUCRS, 2013 – bolsa CAPES) e Doutora em Direito (UFSC, 2016 – bolsa CAPES). Membro do Grupo de Pesquisa em Antropologia Jurídica (GPAJU – UFSC) e do Grupo de Estudos Educação, Cultura, Ambiente e Filosofia (GEECAF – FURG). Foi professora substituta nas Faculdades de Direito da UFPel (2002/2004) e FURG (2010/2011). Também lecionou no Curso de Direito e nos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu de Direito Civil e Processual Civil e de Didática e Metodologia do Ensino Superior da Faculdade Anhanguera de Pelotas (2006/2013). Na mesma instituição, coordenou o projeto de pesquisa e extensão denominado Conhecimento Prudente para uma Vida Decente: Construção de Saberes Acadêmicos e Populares na Prática Jurídica Contemporânea. Atualmente, é Professora Adjunta na Faculdade de Direito da UFPel, lecionando na graduação e no Programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental. Possui experiência em pesquisas jurídicas que abranjam pesquisas empíricas, especialmente voltadas para os aspectos antropológicos e epistemológicos do direito e da efetividade do sistema jurídico contemporâneo.

Ana Zeferina Ferreira Maio

Pós-doutorado em Poéticas Visuais, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (2013). Pós-doutorado na Universidade de Coimbra, Programa de Estudos Artísticos Contemporâneos (2013). Doutorado em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina (2005). Mestrado em Artes Visuais – História, Teoria e Crítica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999). Especialização em Arte-Educação (Artes Plásticas), Universidade Federal de Pelotas (1992). Graduação em Educação Artística Licenciatura de Primeiro Grau (1985) e Licenciatura Plena (1988), Universidade Federal do Rio Grande. Professora Associada dos Cursos de Artes Visuais Licenciatura e Bacharelado, Instituto de Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande. Foi coordenadora do Curso de Artes Visuais – Licenciatura e Bacharelado da FURG de 2008 à 2012. Desenvolve orientação de graduação e pós-graduação nas áreas de cinema e vídeo. Coordena o projeto de pesquisa Poéticas do arquivo e narrativas da memória, com bolsas CNPq – PIBIC. Coordena o Projeto de Pesquisa Ambiente Virtual de Aprendizagem em Artes Visuais (AVA-AV), com bolsas CNPq – PIBIC, por meio do qual desenvolve orientação de iniciação científica. Coordenou o Projeto Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na convergência do ensino presencial e a distância, aprovado no Edital 15/2010 da CAPES, por meio do qual desenvolveu orientação de 06 tutores(as) bolsistas. Coordenou o Projeto Cultura e Pensamento do MEC em 2006. Participou do Programa de Licenciatura Internacionais (CAPES-PLI) da FURG em 2010 e 2012. Coordena o sub-projeto de Artes Visuais do PIBID/FURG, por meio do qual desenvolve orientação de iniciação científica de 10 licenciandos bolsistas CAPES. É líder do Grupo de Pesquisa em Artes Visuais do CNPq, da FURG. Participa como pesquisadora do Grupo de Pesquisa do CNPq Deslocamentos, observâncias e cartografias contemporâneas, da UFPel. É avaliadora de Cursos de Artes Visuais – Bacharelado e Licenciatura, nomeada pelo INEP desde 2006. Participa de eventos nacionais e internacionais, e publica artigos em periódicos Qualis na área de Artes Visuais.

Antonio Escrivão Filho

Doutor em Direito pela Universidade de Brasília – UnB, Pesquisador Visitante da Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA School of Law – 2015/2016), possui Mestrado e Graduação em Direito pela Universidade Estadual Paulista – Unesp. Professor Substituto da Faculdade de Direito da UnB, e Professor do Instituto de Ensino Superior de Brasília (IESB) e da Escola Nacional de Administração Pública (Enap/MPOG). É membro do Grupo de Pesquisa O Direito Achado na Rua, vinculado à plataforma CNPq. Advogado e Consultor de Direitos Humanos, é Membro do Conselho Diretor e Pesquisador da Terra de Direitos – Organização de Direitos Humanos, da Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares (Renap) e da Articulação Justiça e Direitos Humanos (JusDh). Coordenou pesquisas publicadas pelo Observatório da Justiça Brasileira (OJB-CES/AL) e Centro de Estudos de Justiça e Sociedade (Cesusc-SRJ/MJ), além de ser co-organizador da série “Justiça e Direitos Humanos (3 vol.) Publicou livros e artigos sobre a temática de justiça, movimentos sociais e direitos humanos. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Sociologia Jurídica e Direitos Humanos, atuando principalmente nos seguintes temas: Teoria Geral do Estado e do Direito, Direitos Humanos, Movimentos Sociais, Assessoria Jurídica em Direitos Humanos e Advocacia Popular.

Arion Godoy (Defensor Público/Programa de Pós-Graduação em Educação – Universidade Federal de Pelotas)

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Pelotas. Graduado em Direito pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Especialista em Direito Urbanístico pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Mestre em Direito pela Universidade de Caxias do Sul. Defensor Público no Rio Grande do Sul. Idealizador, em parceria com o também Defensor Público, Domingos Barroso da Costa, do projeto “Defensoria das Famílias” que tem foco no desenvolvimento de instrumentos de educação em direitos e de mecanismos extrajudiciais de solução de conflitos. O projeto foi agraciado em 2016 com menção honrosa do Conselho Nacional de Justiça no âmbito do projeto “Conciliar é Legal”, promovido pelo referido Conselho. Possui artigos e livros publicados. Foi servidor do Tribunal de Justiça do Paraná, da Defensoria Pública do Paraná e do Ministério Público Federal.

Daniela Kern (Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais – Universidade Federal do Rio Grande do Sul)

Professora Adjunta Nível IV do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais e do Departamento de Artes Visuais/IA/UFRGS, onde atua no Bacharelado em História da Arte, possui graduação em Artes Plásticas Hab. Hist., Teoria e Crítica Arte pela UFRGS (1998), mestrado em Letras pela PUCRS (2004), doutorado em Letras pela PUCRS (2008) e pós-doutorado em Artes Visuais pela UFRGS (2010). É líder do Grupo de Pesquisa CNPq Arte e Historiografia e editora da Revista-Valise. Trabalha, na área de Artes, com historiografia da arte, teoria, crítica e história da arte, estudos visuais e fundamentos modernos da arte contemporânea; na área de Letras, com história e crítica da literatura; e na área de História, com história das ideias. É autora dos livros Tradição em Paralaxe: a novíssima arte contemporânea sul-brasileira e as “velhas tecnologias” (2013) e Paisagem Moderna: Baudelaire e Ruskin (2010), entre outros, bem como de vários artigos e capítulos publicados em periódicos e livros nacionais e internacionais. Traduziu, entre outras obras, As mulheres da Revolução, de Jules Michelet (2014), O sentido de ordem, de E.H. Gombrich (2012) e O mercado da arte, de Raymonde Moulin (2007). É membro da ANPAP, da College Art Association, da Association of Art Historians e da SBTHH.

Eric Palma Gonzales (Universidad de Chile – Chile)

Advogado. Mestre em Historia. Diplomado em Docência Universitária e Gestão Universitária, ambos na Universidade Metropolitana de Ciências da Educação, Diplomado em Direito do Consumidor na Universidade de Valladolid, Doutor em Direito pela Universidade de Valladolid (Espanha) e candidato ao grau de Doutor em História na Universidade de Valladolid.

Possui extensa trajetória acadêmica dedicada as cátedras de Historia do Direito e Historia Institucional do Chile nos séculos XIX e XX, bem como a cátedra de Metodologia da Investigação Jurídica em diversas universidades, tanto a nível de graduação como de pós-graduação em universidades nacionais e estrangeiras.

Em suas publicações destaca sua preocupação pela busca de novas temáticas, como ocorre com “Estado de Derecho em la doctrina y la práctica político institucional chilena” (Editorial Universidad Andrés Bello, 1994); “La constitucionalización del processo penal em Chile y sus alcances em la doctrina y práctica procesal en el siglo XIX” (Universidad Alberto Hurtado, 2004). É autor dos livros “El Derecho de excepción em el primer constitucionalismo español (Universidad de Valladolid, España, 2000) “Historia del Derecho chileno 1808-1924″ (2ª ed., 2006, Editorial Orión), Estado Constitucional Liberal Católico (1812-1924). Nueva Historia Constitucional, 2a. ed., 2012), assim como numerosos textos docentes. Atualmente é acadêmico de jornada completa na Faculdade de Direito da Universidade do Chile; pesquisador associado ao Centro de Pedagogia Universitária e Didática do Direito e Diretor de Pesquisa da Faculdade de Direito da Universidade do Chile.

Fábio Vergara Cerqueira (Programa de Pós-Graduação em História – Universidade Federal de Pelotas)

Graduou-se no curso de Licenciatura em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1989) e concluiu doutorado em Antropologia Social, com concentração em Arqueologia Clássica, pela Universidade de São Paulo (2001). Bolsista Fundação Humboldt/Alemanha – modalidade Pesquisador Experiente – Arqueologia Clássica. Bolsista Produtividade CNPq em Arqueologia. Pesquisador Visitante na Universidade de Heidelberg – Instituto de Arqueologia Clássica. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em História da UFpel. Professor Associado do Departamento de História da Universidade Federal de Pelotas, lecionando nos cursos de História Licenciatura e Bacharelado , Antropologia/Arqueologia Bacharelado. Entre 2006 e 2009, professor do Mestrado em Ciências Sociais. Desde 2007, professor permanente do Programa de Doutorado e Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural, e, desde 2009, do Mestrado em História. Nesta universidade, foi diretor do Instituto de Ciências Humanas por dois mandatos (2002-2010), coordenador do Curso de História (2000-2002), coordenador do Laboratório de Antropologia e Arqueologia (2001-2012) e do Museu Etnográfico da Colônia Maciel (desde 2006), integrando ainda a coordenação do Laboratório de Estudos da Cerâmica Antiga (desde 2011) e do Circuito de Museus Étnicos (desde 2008). Foi Presidente (2001-2003) e Vice-Presidente (2004-2005) da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos, tendo sido Presidente do V Congresso da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos (SBEC), realizado em 2003. Foi coordenador nacional do GT de História Antiga da Associação Nacional de História (ANPUH) entre 2007 e 2008. Integra os conselhos editoriais dos seguintes periódicos: Dimensões. Revista de História (UFES); Metis (UCS); Cadernos do LEPAARQ. Textos de Antropologia, Arqueologia e Patrimônio (UFPEL); Justiça & História (Tribunal de Justiça do RS); Memória em Rede (UFPel); Patrimônio e Memória (UNESP); Plêthos (UFF); Romanitas (UFES) e Classica. Revista da SBEC. Experiência na área de História, ênfase em Arqueologia Histórica e Arqueologia Clássica, atuando principalmente nos seguintes temas: música, arqueologia, antigüidade clássica, história antiga e iconografia. Nos últimos anos, tem-se dedicado às áreas de Memória Social e Patrimônio Cultural, bem como à gestão museológica.

Fernando Castro Fontainha (Instituto de Estudos Sociais e Políticos – Universidade do Estado do Rio de Janeiro)

Atualmente é Professor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – IESP/UERJ, docente permanente dos programas de pós-graduação em Sociologia (onde exerce a função de Coordenador) e Direito. É Pesquisador Associado do CEPEL – Centre d`Études Politiques de l`Europe Latine (UMR5112). É editor da Revista de Estudos Empíricos em Direito – REED. Possui doutorado em Ciência Política pela UM1 – Université de Montpellier 1 (2011), mestrado em Sociologia e Direito pela UFF – Universidade Federal Fluminense (2006), e graduação em Ciências Jurídicas e Sociais pela UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004). Atua na área de Sociologia do Direito, principalmente nos seguintes temas: recrutamento, formação, trajetória e desempenho das elites jurídicas, organização social e política do Poder Judiciário, e a relação entre as instituições jurídicas e as hierarquias ocupacionais e o trabalho cotidiano dos juristas.

Gunter Axt (Diversitas: Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias e Conflitos – Universidade de São Paulo)

Gunter Axt é historiador e gestor cultural. Bacharelou-se em História para UFRGS em 1992 e defendeu mestrado na mesma universidade em 1995. Doutorou-se em História Social pela USP, em 2001. Desenvolveu pós-doutorado junto ao CPDOC da FGV entre 2005 e 2006. Em 2009, foi professor visitante na Université Denis Diderot, Paris VII, junto ao Institut de la Pensée Contemporaine. Foi pesquisador associado ao Laboratório de Estudos da Intolerância (LEI) da USP entre 2005 e 2011 e integra o Grupo de Trabalho em História Política da Associação Nacional de História, que já coordenou em nível nacional e regional. Atuou como gestor cultural com foco na área da memória e do patrimônio histórico, contribuindo na concepção ou execução de diversos projetos de memória institucional, dentre os quais os da Assembleia Legislativa do RS, do Poder Judiciário do RS, do Ministério Público do RS, do Tribunal Militar do RS, da Ajuris, da Escola Superior da Magistratura do RS, do Tribunal Federal da 4ª Região, do Tribunal Regional do Trabalho de Santa Catarina e do Conselho da Justiça Federal. Presidiu o Instituto Hominus de Desenvolvimento Sociocultural de 2005 a 2007. Em 2007, integrou o Programme Courants da Maison de Cultures du Monde, em Paris. Entre 2006 e 2008 foi curador do seminário internacional Fronteiras do Pensamento, que se realizou em Porto Alegre, em Salvador e em São Paulo. Entre 2010 e 2012 foi curador do Congresso de Jornalismo Cultural, promovido pela revista Cult, de São Paulo. Entre abril de 2012 e agosto de 2013, foi Professor do Mestrado em Memória Social e Bens Culturais e esteve vinculado ao projeto de mestrado Direito e Sociedade, ambos do Centro Universitário La Salle, Canoas/RS. É, desde 2010, consultor do Memorial do Ministério Público de Santa Catarina e integra o Grupo de Defesa do Patrimônio Histórico e Cultural de Santa Catarina. É, desde 2012, pesquisador colaborador do Núcleo de Estudos Diversitas, da USP. Desenvolve, desde outubro de 2014, segundo estágio pós-doutoral, dessa vez junto ao Programa de Pós-Graduação em Direito do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem vários títulos publicados, entre livros, artigos e obras organizadas, tendo se especializado em História do Brasil Império e República, História do Direito e da Justiça, História Cultural do Brasil e gestão cultural. Seu livro mais importante, Gênese do Estado Moderno no RS, resultado de sua tese de doutorado, foi lançado na Feira do Livro de Porto Alegre de 2011, quando também foi indicado finalista do Prêmio Fato Literário. Seu livro As Guerras dos Gaúchos foi contemplado em 2009 com dois prêmios Açorianos de Literatura, oportunidade na qual o livro Fronteiras do Pensamento: retratos de um mundo complexo recebeu também uma menção honrosa. É articulista frequente em jornais e revistas de divulgação e mantém desde 2009 o blog Pé de Página, no portal ClicRBS. É editor-chefe da revista Interfaces Brasil/Canadá (Qualis A 1 em Letras e A 2 em Interdisciplinar), da Associação Brasileira de Estudos Canadense, entidade junto a qual funciona como vice-presidente, desde abril de 2012.

Jarbas Santos Vieira (Programa de Pós-Graduação em Educação – Universidade Federal de Pelotas)

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2000) e Pós-Doutorado na Universidad de Barcelona, España (2003). É Pesquisador do CNPq e Professor Associado da Universidade Federal de Pelotas, onde exerceu, dentre outras, a função de Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação. Possui experiência na área de Educação, com ênfase em Teoria Curricular e Trabalho Docente.

José Octávio Serra Van-Dúnem (Universidade Agostinho Neto – Angola)

Doutor em Sociologia, pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro – IUPERJ, Brasil, Professor Associado e Pesquisador da Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto, Luanda, Angola, e Professor Associado da Faculdade de Direito da Universidade Católica de Angola. Diretor do Centro de Estudos de Ciências Jurídicas, Sociais e Econômicas da Universidade Agostinho Neto (CEJES), onde também atua na Coordenação do Curso de Pós-Graduação de Direito, Petróleo e Gás. Exerceu o cargo de Decano da Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto (2005-2009), e de Vice-Decano para os Assuntos Académicos da Faculdade de Direito (2003-2004). Membro do Conselho Científico da NOVA ÁFRICA, Escola de Negócios da Universidade Nova de Lisboa, Portugal. Membro do Conselho Científico do Planet Earth Institute, Londres. Fundador do Centro de Estudos e Investigação em População (CEIP) da Universidade Agostinho Neto. Membro fundador do “Angola-Instituto de Pesquisa Económica e Social (AIP)”. Publicou muitos livros, capítulos de livro e artigos em periódicos, entre os quais, Fundos Sociais, Um Colírio no Combate à Pobreza?: um estudo de Caso do Fundo de Apoio Social (FAS) (2009); Courts Under Construction in Angola: What Can They Do for the Poor? Artigo em co-autoria com ElinSkaar, publicado no livro Courts and Social Transformation in New Democracies,editado por Roberto Gargarella, Pillar Domingo,  TheunisRoux (2006); Avaliação do Curso de Direito e Inovações Desafios da Pedagogia Jurídica, e Imagens da Justiça produzidas por estudantes ingressantes no Curso de Direito: diálogos Brasil e Angola, ambos em co-autoria com Maria Cecília L. Leite, publicados, respectivamente, no livro Diálogos Educativos entre Brasil e Angola, cuja obra organizou, em parceria com Gomercindo Ghighi (2007); e no livro Imagens da Justiça, Currículo e Educação Jurídica, organizado por Maria Cecilia L. Leite (2014).

Luciana Gruppelli Loponte (Programa de Pós-Graduação da UFRGS –Universidade Federal do Rio Grande do Sul)

Possui graduação em Licenciatura Plena em Educação Artística Hab. em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Pelotas – UFPEL (1990), Mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP (1998) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS (2005). Atualmente é pesquisadora e Professora Associada do Departamento de Ensino e Currículo da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atuando na graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação, na linha de pesquisa Arte, linguagem e currículo. Foi vice-presidente da FAEB (Federação de Arte-Educadores do Brasil) de 2006 a 2008 e coordenadora do Grupo de Trabalho (GT) 24 – Educação e Arte da ANPEd (Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação) de 2008 a 2010, e membro do Comitê Científico da entidade de 2010 a 2015. Nos últimos anos, tem obtido financiamento do CNPq para suas pesquisas (Edital Universal 2007, 2010 e 2013). É líder do ARTEVERSA – Grupo de Estudo e Pesquisa em Arte e Docência (UFRGS/CNPq). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Arte, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino de arte, formação de professores, formação estética docente, arte e educação, gênero e artes visuais.

Luis Eduardo Xavier Rubira (Programa de Pós-Graduação em Filosofia – Universidade Federal de Pelotas)

Possui graduação em Filosofia pela Universidade Federal de Pelotas (1995), mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2000), doutorado em Filosofia na Universidade de São Paulo (2009), com estágio de estudos na Université de Reims Champagne-Ardenne/França (2007-2008) e pós-doutorado em Filosofia pela Université de Reims Champagne-Ardenne (2014-2015). É Professor Adjunto de Filosofia na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), membro do Grupo de Estudos Nietzsche (GEN) e do Groupe International de Recherches sur Nietzsche (GIRN), Vice-Coordenador do GT-Nietzsche da ANPOF e Editor Associado da Revista Dissertatio. Atua na área de Filosofia, com ênfase em Ética e História da Filosofia Moderna e Contemporânea. Suas linhas de Pesquisa são Nietzsche e Filosofia Política Contemporânea. Tem como foco os seguintes temas: moral, tempo, valores, transvaloração, eterno retorno. 

Magalie Flores-Lonjou (Université de La Rochelle – França)

Doutora em Direito, Professora de direito público, credenciada para realizar pesquisas, na Universidade de La Rochelle – Faculdade de Direito, de Ciência e Gestão. Seu projeto de investigação atual, interdisciplinar e co-dirigido por professores pesquisadores das Universidades de La Rochelle, Limoges e Poitiers e financiado pela PRES Limousin Poitou-Charentes (2013-15), concentra-se sobre o tema « Frontière(s) au cinéma ». Entre seus livros, cita-se Flores-Lonjou M.; C. Laronde-Clérac ; A. de Luget (Dir.), Quelle pédagogie pour l’étudiant juriste ? Expérimentations, modélisations et circulation (2012) ; M. Flores-Lonjou (Dir.), Le travail, entre droit et cinéma  (2012); M. Flores-Lonjou ; A. de Luget (Dir.), L’enfant, le droit et le cinéma, (2012). Magalie Flores-Lonjou et Estelle Epinoux (Dir.), La famille au cinéma. Regards juridiques et esthétiques, préface de Marie-Anne Frison-Roche, Mare et Martin, coll. Droit et cinéma, mai 2016.  A autora publicou, ainda, inúmeros capítulos de livros e artigos em revistas científicas, entre os quais,  Le procès dans le cinéma français, em co-autoria com L. Miniato (2014); M. Flores-Lonjou ; A. de Luget. La difficile coexistence entre les Israéliens et les Palestiniens vue à travers Les citronniers, de Eran Riklis (France, Israël, Allemagne, 2008)  publicado na Revista Questions Internationales (2011), M. Flores-Lonjou ; A. de Luget (Dir.), Le huis clos judiciaire au cinéma (2010).

Márcia Rodrigues Bertoldi (Programa de Pós-Graduação em Direito – Universidade Federal de Pelotas)

Possui graduação em Direito pela Universidade Católica de Pelotas (1998), doutorado em Estudos Internacionais – Universidad Pompeu Fabra (2002) e doutorado em Globalização e Direito – Universidad de Girona (2003) com bolsa da CAPES (Revalidado pelo Programa de Pós-Graduação em Direito da UFSC). Realizou estágio pós-doutoral, com bolsa do CNPq na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo, Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Público, atuando principalmente nos seguintes temas: direito internacional do meio ambiente, direito ambiental, direitos humanos e direito socioambiental. Atualmente, é professora da Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Direito. Coordenadora do Grupo de Estudos em Direito Socioambiental (GEDS). Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFPel.

Mari Cristina de Freitas Fagundes (Programa de Pós-Graduação em Sociologia – Universidade Federal da Paraíba)

Graduada em Direito pela Faculdade Anhanguera de Pelotas. Especialista em Direito Penal e Processual Penal (Complexo Educacional Damásio de Jesus, 2013/2015). Mestra em Sociologia pela Universidade Federal de Pelotas (2013/2015 – PPGS/UPFel). Doutoranda em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba. Professora na Faculdade Anhanguera de Pelotas/RS, ministrando aulas no curso de Direito, nas componentes curriculares de História e Introdução ao estudo do Direito, Direito Penal (parte geral e especial) e Prática Penal (2015 a 2016). Ministrou aulas no curso de Pós-graduação em Direito Penal e Processual Penal, na mesma instituição nos anos de 2015 a 2016. Realiza pesquisas voltadas à Sociologia, Antropologia e ao Sistema de Justiça Criminal, fundamentando-as em análises empíricas e teóricas, com o objetivo de compreender o sistema jurídico contemporâneo e seus sujeitos. Nesse sentido, dá especial enfoque à pesquisa de campo qualitativa e à etnografia.

Maria Cecilia Lorea Leite (Programa de Pós-Graduação em Educação – Universidade Federal de Pelotas)

Maria Cecilia Lorea Leite possui graduação em Direito pela Universidade Federal de Pelotas, Licenciatura Plena em Letras pela Universidade Católica de Pelotas, Mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Realizou Pós-Doutorado na Université Paris 8. É Professor Associado da Universidade Federal de Pelotas. Atualmente é associado da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação, da Associação Nacional de Política e Administração da Educação, e da International Sociological Association. Integra a Rede Judicial Images Network, da UK Arts and Humanities Research Council. Publicou 25 artigos em periódicos especializados, 23 capítulos de livro e organizou três livros. Participou de eventos no Brasil e no exterior. Orientou onze trabalhos de Dissertações de Mestrado e cinco de Doutorado. Atualmente orienta sete Teses de Doutorado e um trabalho de Iniciação Científica. Participou de nove Projetos de Pesquisa, tendo coordenado quatro deles. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Avaliação de Sistemas, Instituições, Planos e Programas Educacionais, atuando principalmente nos seguintes temas: currículo, gestão democrática, educação jurídica, pedagogia jurídica, imagens da justiça, ensino superior e universidade.

Maria Eugênia Bunchaft (Programa de Pós-Graduação em Direito – Universidade do Vale do Rio dos Sinos)

É Professora do Programa de Pós-Graduação em Direito e da Graduação em Direito na UNISINOS desde 2013. Orientadora de Mestrado e Doutorado. É Doutora em Teoria do Estado e Direito Constitucional pela PUC-Rio e Pós-Doutora em Filosofia Política pela UFSC. Possui graduação em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, mestrado em Teoria do Estado e Direito Constitucional pela PUC-Rio. É Coordenadora do projeto de pesquisa; Constitucionalismo Democrático, Deliberação e backlash: uma reflexão sobre os direitos de Minorias LGBT nos contextos brasileiro e norte-americano, aprovado pelo CNPq, referente à CHAMADA UNIVERSAL MCTI/CNPq Nº 01/2016 Foi Coordenadora do projeto de pesquisa; Judicialização, Constitucionalismo Democrático e direitos fundamentais de minorias LGBT: uma reflexão à luz dos contextos brasileiro e norteamericano; aprovado pelo CNPq, referente à CHAMADA UNIVERSAL MCTI/CNPq Nº 14/2014. Foi Coordenadora do projeto aprovado pela FAPERGS, relativo ao edital PESQUISADOR GAÚCHO 2014, intitulado; Judicialização, Deliberação e Minorias LGBT uma reflexão sobre os contextos brasileiro e norte-americano. Ambos os projetos foram concluídos em 2017. O projeto da FAPERGS está em fase de prestação de contas. No quadriênio de 2013-2016 publicou 21 artigos. Destes 21 artigos publicados no último quadriênio, 10 foram publicados em periódicos de QUALIS A1 e 1 em periódico de extrato QUALIS A2 conforme classificação 2017 da CAPES. Na sua vida acadêmica, publicou um total de 35 artigos, dentre os quais 19 foram publicados em periódicos de QUALIS A1 e dois artigos em periódicos de extrato QUALIS A2. Tem experiência de pesquisa em Direito Constitucional, Teoria do Direito e Filosofia política. É autora de três livros e de diversos artigos na área jurídica, em revistas A1, A2 e B1. Atua nos seguintes temas: Laicidade e razão pública (Rawls; Habermas; Taylor), estudos de gênero, (Butler, Benhabib, Fraser); transexualidade e despatologização à luz dos estudos feministas; Filosofia do reconhecimento (Honneth, Fraser); Constitucionalismo Democrático, minorias e movimentos sociais; Minimalismo Judicial (Sunstein) e judicialização; esfera pública e democracia (Habermas, Nino); jurisdição constitucional.

Maria Francisca Elgueta (Universidad de Chile – Chile)

Doutora em Educação, pela Universidad de Valladolid, Espanha (2007), é  Coordenadora da Unidade de Pedagogía Universitaria y Didáctica del Derecho, da Faculdade de Direito da Universidade do Chile. Publicou muitos livros e artigos em revistas científicas, entre os quais,  o capítulo De la enseñanza del Derecho a la Didáctica General del Derecho, integrante de um livro digital, publicado pelo Universidade Autônoma do México, e Una propuesta de clasificación de la clase magistral impartida en la Facultad de Derecho, pela Revista Chilena de Derecho, Facultad de Derecho, Pontificia Universidad Católica, aceito para publicar em 2014. A docente organizou eventos internacionais sobre Pedagogía Universitaria y Didáctica del Derecho e participa da Comissão de Organização do Congreso Internacional de Pedagogía Universitaria y Didáctica del Derecho – Instituto de Investigaciones Jurídicas, Universidad Autónoma de México, a ser realizado, na cidade de México, na primeira semana de  Novembro de 2014.

Maria Isabel da Cunha (Programa de Pós-Graduação em Educação – Universidade Federal de Pelotas)

Possui graduação em Ciências Sociais (1968) e graduação em Pedagogia (1974) na Universidade Católica de Pelotas, mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1979) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1988). Foi Supervisora Pedagógica na Escola Técnica Federal de Pelotas (1973-1988). Aposentou-se como professora titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas (1975-1999) onde foi coordenadora do PPG Educação (1995-1997) e Pro-Reitora de Graduação (1989-1992). Fez Estágio de Pós-doutoramento na Universidade Complutense de Madri (1998) e Estágio Senior na Univrsidade de Sevilha (CNPQ, 2013). Atuou por 17 anos como professora titular do PPG Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2000-20017). Faz parte da Rede Sulriograndense de Investigadores da Educação Superior (RIES) com extensa participação em pesquisa e dois Projetos FAPERGS/CNPq/PRONEX. Participou dos Comités de Educação FAPERGS (1989-1992), CAPES (1999-2005) e CNPq (2009-2011) e da Comissão que propôs o SINAES (1992). Atualmente é docente permanente do PPG Educação da Universidade Federal de Pelotas. Tem experiência na área de Educação, com ênfase nos seguintes temas: educação superior, formação de professores, pedagogia universitária e docência universitária. Coordena Grupo de Pesquisa (CNPq) com vinte anos de atuação e seis livros publicados. Possui Bolsa PQ1 do CNPq.  

Oscar José Magalhães (Faculdade de Direito – Universidade Federal de Pelotas)

Graduado em Direito pela Universidade Federal de Pelotas (1976) e Doutor em Direito pela Universidad de Granada – Espanha (2005). Professor Adjunto da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pelotas. Ex-Professor Adjunto da Escola de Direito da Universidade Católica de Pelotas. Vice-Diretor da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pelotas. Coordenador Adjunto do Curso de Pós-graduação Especialização em Direito Ambiental da Faculdade de Direito – UFPEL. Presidente da Comissão Editorial da Revista da Faculdade de Direito – UFPEL.

Prof. Dr. Isaac Costa Reis (Universidade de Brasília)

Doutor em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco (2014), com estágio de pesquisa na Ruprecht-Karls-Universität Heidelberg, Alemanha; mestre pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003) e graduado em Direito pela Universidade Federal da Bahia (1999). Professor Adjunto na Universidade de Brasília (UnB). É avaliador de cursos e instituições de ensino superior pelo INEP/MEC desde 2010. Possui pesquisas interdisciplinares em Direito, com ênfase nos seguintes temas: Retórica e Argumentação Jurídicas Análise Empírico-Retórica do Discurso, Hermenêutica Jurídica e Constitucional, Educação Jurídica, Epistemologia, Metodologia, Poder Judiciário e Democracia, processos de legitimação e participação social. Membro fundador do Grupo de Pesquisa Retórica Argumentação e Juridicidades – GPRAJ/UnB/CNPq, membro-associado da Rede de Pesquisa Empírica em Direito (REED) e da Associação Brasileira de Ensino do Direito (ABEDi).

Renato Duro Dias (Programa de Pós-Graduação em Direito – Universidade Federal do Rio Grande)

Atualmente é Pró-Reitor de Graduação da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), estando vinculado a esta universidade como Professor da Faculdade de Direito e do Programa de Pós-Graduação em Direito e Justiça Social (Mestrado em Direito). Atua como Coordenador do Centro de Referência em Direitos Humanos – CRDH/FURG. É Doutor em Educação com período de doutoramento sanduíche na Universidade de Lisboa, Portugal. Foi Coordenador eleito dos Cursos de Graduação em Direito (FURG) por três mandatos. Professor Visitante no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, Portugal. Pesquisador do GTJUS – Grupo Transdisciplinar em Pesquisa Jurídica para a Sustentabilidade. Codiretor da Revista Pedagogía Universitária y Didáctica del Derecho, Facultad de Derecho, Universidad de Chile. Editor da Revista Gênero, Sexualidade e Direito. Advogado. Diretor de Comunicação da ABEDi. Associado ao CONPEDI, ABEDi e a REED. Possui publicações de livros, organizador, capítulos de livros e artigos científicos, em revistas nacionais e internacionais indexadas.Tem interesse nas áreas de educação superior, ensino jurídico e direitos humanos, especialmente nas temáticas de gênero e sexualidades.

Ricardo Henrique Ayres Alves (Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais – Universidade Federal do Rio Grande do Sul)

Doutorando e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, ambos com bolsa CAPES, atuando na área de concentração História, Teoria e Crítica. Bacharel em Artes Visuais com ênfase em História, Teoria e Crítica de Arte pela Universidade Federal do Rio Grande – FURG, com período de mobilidade acadêmica na Universidade Técnica de Lisboa – UTL, no curso de Antropologia do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas – ISCSP. Professor da Universidade Estadual do Paraná – UNESPAR, Campus Curitiba I – EMBAP (2016-). Lecionou nos cursos de Artes Visuais – Bacharelado e Licenciatura da Universidade Federal do Rio Grande – FURG (2014-2015). Artista visual. Suas pesquisas orbitam a arte contemporânea e suas interseções com o corpo, a aids, a sexualidade e o cotidiano.

Rochele Loguercio (Programa de Pós-Graduação em Química – Universidade Federal do Rio Grande do Sul)

Professora Doutora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul onde desenvolve pesquisas em educação, particularmente evidenciando as temáticas do Currículo, Legitimação dos Saberes e Práticas Docentes, em uma perspectiva filosófica e epistemológica. Atualmente é Professora orientadora no Programa de Pós Graduação em Química da UFRGS, na Linha de Pesquisa Educação em Química. Ainda, como pesquisadora coordena o Grupo de Pesquisa: Área de Educação em Química e o Núcleo de Estudos sobre Currículo e Saberes – NECS (UFRGS). Nas atividades extensionistas, atua como Coordenadora Institucional do Laboratório Interdisciplinar de Formação de Educadores (LIFE/UFRGS), composto por 3 laboratórios: Casa de Ofícios, Radiações Ionizantes e CAp.

Sandra Travers de Faultrier (Science Po – França)

Doutora em Letras e Doutora em Direito e Professora da Sciences-Po – Paris, França, é pesquisadora e advogada, especializada em direito e literatura e direito de propriedade literária. Exerce o cargo de Vice-Presidente de assuntos legais da Societé des Gens des Lettres. Membro do conselho editorial da  Les Cahiers de la justice, revista da École Nationale de la Magistrature, desde 2009. Presidente do Comité Científico ReLire – 2013-2014. Sua pesquisa incide sobre os seguintes temas: Direito e Literatura; e Direitos Autorais. Entre suas publicações: La Fiction entre droit et littérature, Raisons politiques, 2007; Gide, l’assignation à être, Michalon, 2005; Droit et littérature, essai sur le nom de l’auteur, PUF, 2000; Le Droit des bases de données (livro eletrônico) – ADBS, 2000. Possui inúmeros artigos publicados em revistas e periódicos, eles: Droit et littérature, arts de l’Apparaître. L’Identité-jugement, Les Cahiers de la justice, 2010/2.